Vinho e bar, será que essa combinação funciona? Dá certo ou dá errado?

Nós gostamos de barzinho, de boteco, mas também gostamos de vinho. Como fazer então para combinar esses dois mundos?

Em todo o Brasil o que não falta são bares e botecos.

No País, todos estão mais acostumados a tomar um chopp ou uma cerveja no bar, mas porque não o vinho?

O que acontece é que existe um estigma de que o vinho é destinado somente para momentos especiais, para ser consumido em um restaurante mais sofisticado, com um prato especial, com aquela comida gourmetizada, mas na verdade não é.

Temos alguns bares que contam com uma carta de vinhos, de branco a rosé, além de vinhos tintos também.

Nos bares que apresentam uma carta de vinhos, geralmente a seleção não é tão grande, sendo mais restrita, embora seja possível encontrar boas opções.

Conheça alguns estilos de vinho que combinam bem com barzinhos.

Estilos

O vinho verde é caracterizado por ser geladinho e ter uma acidez que se associa muito bem com petiscos e as comidas típicas de bar.

Quando falamos de vinho verde, não estamos falando daquele vinho branco mais estruturado, mas sim de algo mais simples de beber, com acidez e frescor.

Quando estamos em um bar, queremos relaxar. Não queremos fazer uma degustação de vinho. Queremos apenas conversar e curtir aquele ambiente.

O bar não é um momento de degustar, já que as pessoas vão ali para curtir, querendo algo que refresque, que limpe o seu paladar e que combine com aquelas comidas que estão ali.

Os petiscos, geralmente, são mais gordurosos, e nesse sentido, um vinho que tenha frescor e acidez vai muito bem.

O vinho verde é um estilo de vinho que costuma agradar o paladar daqueles que gostam de beber cerveja, mas têm certas restrições com vinhos. Quando essas pessoas experimentam o vinho verde, muitas das vezes elas vão começar a gostar de vinho.

O Torrontés é uma uva que combina bem com bares. Muito encontrado na Argentina, é um um pouco mais docinho no paladar, e que também agrada os apreciadores de cerveja.

O Torrontés pode ser uma bela opção de acompanhamento para quem está no barzinho comendo um petisco. Tanto o Torrontés quanto o vinho verde são vinhos que você consegue comprar por uma condição de preço atraente.

São vinhos de uvas que você pode encontrar por aí no mercado e que giram na faixa dos 50 reais. Ambos são rótulos de entrada que você encontra facilmente e que em uma mesa você talvez consiga agradar um maior número de pessoas.

O vinho rosé é outro estilo que tem tudo a ver com bar, sendo o famoso coringa. Com um balde de gelo ao lado e uma garrafa de rosé em uma mesa de bar, enquanto você estiver batendo um papo, o vinho vai rápido e fácil. Quando você perceber, a garrafa já acabou.

O rosé é um vinho extremamente versátil. Para quem gosta muito de tinto e não é muito chegado em um vinho branco, o rosé faz bem. Para a pessoa que gosta mais de branco e não liga muito pra tinto, o rosé também cai bem.

Nos últimos dois, três anos o consumo de rosé no Brasil vem crescendo bastante, sendo um mercado em potencial. O brasileiro, pelo nosso clima, está, aos poucos, deixando de lado o preconceito com o vinho rosé e está consumindo cada vez mais.

Quando se fala em barzinho, você tem uma série de petiscos, como um pastelzinho, uma batata frita, um amendoim, assim como você pode também ter pratos, como uma carne seca, e optar por tomar um vinho tinto para acompanhar.

Uma opção de tinto mais leve, de um tinto mais fresco é o Pinot Noir. Inclusive existem rótulos nacionais, fáceis de beber, que não cansam e que vai muito bem nessas combinações de prato e petiscos.

Vinhos em lata

Para os donos de bar, uma alternativa interessante é investir em vinhos em lata.

O vinho em lata é ideal para situações em que um grupo de pessoas vai para um bar tomar cerveja e tem uma ou outra pessoa que não quer cerveja. Como essa pessoa não vai pedir uma garrafa só para ela, o vinho em lata resolve.

O que os comerciantes podem fazer é testar a saída do produto, comprando uma dúzia de latinhas, deixando no bar e vendo como está sendo a aceitação dele.

Hoje no Brasil existem vários vinhos em lata, uma oferta que tem crescido bastante, assim como o consumo.

Bag in Box

Outra opção é o Bag in Box, aquela caixa de vinhos, que pode trazer opções de tintos e brancos, tendo como a sua principal vantagem o fato de que, uma vez aberto, ele se conserva por 30 dias.

Então, para os donos de bar, comprar um Bag in Box é um excelente negócio, na medida em que você tem uma receita maior, porque consegue vender o vinho na taça, além de ter um custo mais barato.

É importante se atentar, porém, que se você for vender vinho em taça e não tiver algum método de conservar a taça, você vai perder o vinho facilmente.

Para quem tem um estabelecimento, pensar no Bag in Box, assim como no vinho em lata, é uma grande ideia, evitando a necessidade de reposição de estoque do vinho, a preocupação em ter um local para armazená-lo, assim como em mantê-lo na temperatura certa ou contar com uma adega.